agosto 21, 2004

TIAGO VERDIAL. Esta história eu gostava de escrever, a de Tiago Verdial, «espião português» ao serviço da Kroll, implicada em vigilância e escutas ilegais à Telecom Italia, presidente do Banco do Brasil, L. Gushiken (actual ministro da presidência de Lula, na altura ligado a um dos grupos que disputavam a Embratel), e que incluiram «flagrante» de uma reunião entre conspiradores para tomar o poder na mesma Embratel em Lisboa (no Ritz, creio). Este foi um dos blogs mais visitados durante a semana da prisão de Verdial. Os argumentos são os do costume («Tiago está sendo acusado de crimes que ele nem poderia, nem conseguiria cometer, mesmo que tivesse essa intenção ou algum interesse. Ele é o famoso peixe pequeno, geralmente quem acaba sendo crucificado em historias desse tipo. Não é rico e não tem essa vida glamurosa de espião que já começou a ser retratada em toda a mídia, sempre morou de aluguel e nem tem carro.»), mas a história que circula em vários lugares é complexa o suficiente para ser bem contada.