junho 28, 2005

Mais coisas temíveis, 2.

Regresso a Veronika para verificar que há uma série de repetições involuntárias em Brida, ou ao contrário (no caso de Paulo Coelho, não interessa a ordem de publicação). Problemas semelhantes dão origem a soluções completamente inversas. Pobre Siddhartha que se transforma em Taróloga Maya. Em Brida há uma passagem comovente que me esqueci de assinalar ontem, e que recomendo à atenção do Rui CS: o namorado de Brida (que é secretária numa empresa de Dublin) ganha menos do que ela; ele é professor no departamento de Física numa universidade pública irlandesa. Assim vai o mundo. Há sempre temas para debate.