julho 03, 2005

IVA. O combate pela pátria.

Aviz fica a quarenta e cinco minutos de Espanha. O supermercado Corte Inglés de Badajoz, na passada sexta-feira, estava cheio de portugueses. O combate do IVA está a ter bons efeitos. A pátria regressa aos velhos e bons hábitos.

PS - Aliás, há supermercados espanhóis que fazem «entrega em casa», do lado de cá da fronteira.

14 Comments:

At 1:12 da manhã, Blogger Rui MCB said...

Nova geografia:
Jumbo de Castelo Branco ou Leclerc de Salamanca?

 
At 1:26 da manhã, Blogger JN said...

Com a vantagem de que, agora, os sacos já não precisam vir escondidos debaixo dos bancos do carro ou tapados pelas saias das senhoras.

 
At 2:37 da manhã, Blogger [C.B.] said...

É a gasolina, são os iogurtes - e agora, para quem vive perto da fronteira, até as bilhas de gás, imagine-se. Suba-se o IVA, pois, baixem-se as receitas.

 
At 10:03 da manhã, Blogger L. said...

comentários: que boa ideia!

 
At 10:33 da manhã, Anonymous FR said...

Desculpa lá Francisco mas tudo este "boom" caminha para os tempos longínquos de 1580 com as Dinastias Filipinas.Penso mesmo que a melhor solução para Portugal é anexação a Espanha. Posso não estar aqui no mundo dos vivos mas por este andar desgovernado seremos uma outra região autónoma de nossos hermanos...

 
At 3:27 da tarde, Anonymous Luis said...

É verdade. Tanta crise por essa Europa fora mas o IVA dos espanhóis mantém-se intocado nos 16%. Quem mora perto da fronteira deve aproveitar.

 
At 8:50 da tarde, Blogger Carlos a.a. said...

Em Rosal de la Frontera existem já duas empresas de ditribuição alimentar prontas para começar a operar em Portugal até um raio de 80 Km. Uma tem 8 viaturas; outra 6.

 
At 10:33 da tarde, Anonymous Anónimo said...

Foi pelo aumento de 2% no IVA, de alguns produtos, que não são de 1ª necessidade, que leva os Portugueses a Castela, acha isso de uns tipos espertos? ainda se fosse para comprar um SLS 300, ainda se justificava. Um povo pacovio

 
At 5:47 da manhã, Blogger Eterna Descontente said...

"Estávamos em 1976 e na fronteira obrigaram-na, como mandava a lei, a preencher o formulário alfandegário: um papelinho branco, burocrático e mesquinho que a identificava a ela, aos filhos, ao marido, ao carro deles, ao seu destino e, se a memória não me falha, ao seu dinheiro. Para trás tinham ficado os poucos quilómetros que separavam os dois países e as "loooongas" horas em filas de espera, sob o sol abrasador e sufocante de Agosto..."

Bom… há que ver as coisas pelo lado positivo, pelo menos já não temos de preencher o formulário alfandegário! ;-)

Um abraço, Francisco, gostei de ver os comentários abertos!

 
At 3:49 da tarde, Anonymous C. Indico said...

É pá, esta é chauvinista!

 
At 5:29 da tarde, Anonymous GonçaloP said...

Este post é na linha do artigo do Expresso, que até tinha uma foto de uma loja com aviso de trespasse -- como quem diz, o IVA aumentou 6ª feira, e os dinâmicos vendedores, coitadinhos, estão mesmo a ser obrigados a fechar a loja.

 
At 5:31 da tarde, Anonymous GoncaloP said...

Outra coisa que pelos vistos se continua a ir comprar muito a Espanha é combustíveis. Mas não se percebe porquê. Diz que os preços iam descer, com a liberalização. Garantiram mesmo.

 
At 9:03 da tarde, Anonymous Anónimo said...

Fazem entregas em Lisboa?

 
At 3:46 da manhã, Blogger ISA said...

Acho muito bem. Eu se morasse perto da fronteira faria o mesmo. E viva o défice.

 

Enviar um comentário

<< Home